As redes sociais nas telas do cinema

Desde o surgimento das ideias de interações sociais na internet a partir da década de 90, o cinema tenta acompanhar e produzir essa realidade do ciberespaço.

Uma de suas primeiras tentativas foi ao produzir o filme A Rede de 1995, porém de acordo a realidade em qual estava, a produção acaba apresentando uma visão mais para sistemas, segurança online e hacking.

Logo na década seguinte, em 2010, a indústria cinematográfica consegue produzir o que provavelmente seja o mais renomado filme sobre redes sociais atualmente, “A Rede Social” de David Fincher.

Trailer de “A Rede Social”

O filme narra a história da criação do Facebook, começando com a primeira criação de Mark Zuckerberg em Harvard que foi o “Facemash”, que era uma rede na qual a pessoa votava na garota que considerava mais bonita. Com esse primeira tentativa (na qual foi um sucesso de mais de 22 mil visualizações em 2 horas), ele viu a oportunidade de uma diferente criação. “Uma rede social é definida como um conjunto de dois elementos: atores (pessoas, instituições ou grupos; os nós da rede) e suas conexões (interações ou laços sociais) (Wasserman e Faust, 1994; Degenne e Forse, 1999)” e é isso que o filme representa quando Mark tem a ideia ao desenvolver o “TheFacebook”. Que seria uma rede, de início seletiva, para a conexão desses diversos atores.

Jesse Eisenberg como Mark Zuckerberg em A Rede Social (2010)

Na época da criação do Facebook (2004), já existia outras rede sociais como MySpace, mas um dos diferenciais e maiores focos exposto na produção é o que a escritora Recuero cita em seu livro Redes Sociais na Internet (2009) “Como Döring, Lemos e Sibilia perceberam, há um processo permanente de construção e expressão de identidade por parte dos atores no ciberespaço.” Essa liberdade na construção e expressão desses atores foi um fatores que levou o Facebook em 24 horas ter entre 1200 e 1500 usuários. O que possibilitou a interação entre esses usuários. “A interação é, portanto, aquela ação que tem um reflexo comunicativo entre o indivíduo e seus pares, como reflexo social.” (RECUERO, 2009). Com isso, a produção da “A Rede Social” conseguiu ganhar o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Trilha Sonora e Melhor Edição; e ser indicado a Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator e Melhor Fotografia. Além disso ganhando diversas premiações no Golden Globe Awards e BAFTA Award.

Mas “A Rede Social” não foi o último a tentar colocar nas telas a realidade das redes, entre eles temos “Ela de 2013, dirigido por Spike Jonze. O enredo gira em torno de um homem que desenvolve uma relação pessoal com um assistente virtual de computador(OS), semelhante ao Siri do (IOS) ou Cortana da Microsoft, com uma voz feminina e personalidade. A produção acabou levando prêmios do Oscar e Golden Globe Awards.

Ela (2013)

Em 2017 já tivemos o filme O Círculo, que foi um longa que aborda um cenário quase presente, que nos deparamos com elementos no nosso dia a dia, especialmente no que diz respeito ao mundo das redes sociais e a idolatria a empresa, lembrando bastante empresas como a Apple e Facebook.


Esses foram somente alguns, e com certeza teremos outros longas no futuro sobre essa dinâmica das redes. “Estudar redes sociais, portanto, é estudar os padrões de conexões expressos no ciberespaço. É explorar uma metáfora estrutural para compreender elementos dinâmicos e de composição dos grupos sociais. “ (RECUERO, 2009) Como a citação de Recuero, esses longas também nos ajudam a analisar e ter uma visão diferente a esses padrões de conexões. E não sei quanto a vocês, mas aguardamos ansiosamente pelos próximos.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s